terça-feira, 17 de agosto de 2010

Participe do Curso de Jornalismo e Literatura

As relações entre o jornalismo e a literatura serão tema do novo curso livre que o Jornalirismo realiza, de 11 de setembro a 23 de outubro, aos sábados, das 9h às 16h, na Ação Educativa, em São Paulo.

Num total de 40 horas de aula, sob a responsabilidade do jornalista e escritor Guilherme Azevedo, o curso “Jornalismo e Literatura” apresenta conceitos essenciais do jornalismo e da literatura, como ponto de vista; faz uma retrospectiva do melhor texto jornalístico, na sua aproximação com a literatura; exercita a capacidade do aluno de olhar o mundo com generosidade e retratá-lo com criatividade e profundidade.

O aluno também receberá orientação sobre o desenvolvimento de projetos de grande reportagem.

O curso é indicado a profissionais da comunicação, blogueiros, jornalistas-cidadãos, estudantes de comunicação e letras, professores de português e literatura e demais interessados em se aprofundar nas relações entre o jornalismo e a literatura, para a produção de textos atraentes e saborosos.

O investimento é de duas parcelas de R$ 250,00, uma no ato da matrícula e outra para 30 dias. O valor inclui certificado.

As inscrições podem ser feitas pelo telefone (11) 2122 4268 ou pelo e-mail jornalirismo@eventar.com.br até o dia 8 de setembro.

O que: Curso “Jornalismo e Literatura”.
Quando: 11 de setembro a 23 de outubro de 2010, sábados, das 9h às 16h.
Duração: 40 horas.
Onde: Ação Educativa: rua General Jardim, 660, Vila Buarque, Centro de São Paulo.
Quanto: 2 X R$ 250,00 (inclui certificado).
Inscrições e informações: (11) 2122 4268 e jornalirismo@eventar.com.br

Saiba mais sobre o curso “Jornalismo e Literatura”:

Tópicos.
Eureka!: técnicas para a criação de ideias.
A literatura e a formação do homem.
A posição do homem independente na sociedade.
Histórias universais: o jornalismo e o mito moderno.
É literatura? É jornalismo? O jornalismo como gênero literário.
Técnica literária nas histórias de não-ficção: narração, descrição, ponto de vista, personagens.
Carpintaria do verbo: a busca da palavra perfeita.
O texto jornalístico transformador: New Journalism, revista Realidade, Marcos Faerman, Eliane Brum, Rubem Braga.
O exercício de outro olhar.
A apreensão lírica do cotidiano através da crônica.
Os objetos contam nossas histórias: afetividade e memória.
Formatação e desenvolvimento de projetos de grande reportagem.

Saiba mais sobre o professor.

Guilherme Azevedo estudou jornalismo na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero e letras na Universidade de São Paulo. Começou no Grupo Folha, como trainee, e foi colunista da revista Caros Amigos. Escreveu os livros Propaganda popular brasileira (Editora Senac São Paulo, 2010) e As aventuras de Alencar Almeida, o repórter (Editora Casa Amarela, 2005). Atualmente é editor deste Jornalirismo e repórter freelancer.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Show Instrumental no Centro Cultural Rio Verde



Álvaro Petersen mostra seu trabalho autoral
Dia 19 de agosto, quinta-feira, Álvaro Petersen apresenta-se no charmoso Centro Cultural Rio Verde, acompanhado dos músicos Rubem Farias (baixo), Edmundo Carneiro (percussão) e com a participação do sensacional trombonista Bocato.

Sibipiruna é resultado de canções compostas por Álvaro, reunidas num trabalho acústico, com base na harmonia e na batida dos violões e percussão. As canções têm influências da MPB, mas também de folk, rock e funk, numa mistura de estilo marcante.

Álvaro começou sua carreira em Ribeirão Preto, onde se apresentava em parceria com Kiko Zambianchi. Participou de vários festivais pelo interior dos estados de SP e MG. Estudou em Campinas, na Unicamp e é arquiteto pela PUC-C, participando, naquele período, das atividades culturais da cidade e de projetos de vários artistas. Participou como finalista do festival Carrefour-BR. Apresentou-se ao lado de músicos como Silvio Mazzuca, AC del Farra, Edmundo Carneiro, Célia Regiane, Franco Petrocca, Freddy Crasto, Luis Lopes, Marcelo Fillizola, Bocato, Sergio Lyra, Ricardo Feijão, Reginaldo Feliciano, entre outros. Apresentou-se em São Paulo no Centro Cultural São Paulo, Biblioteca Mário de Andrade, Blue Note, Geni, Urbano e no Cithea e Favela Chic (com Maria de Medeiros) em Paris/ França.

Tem parcerias com Kiko Zambianchi, Paulo Leminsky, Fortuna, Hamilton Moreno, Lino Cryzz, Edmundo Carneiro. Tem músicas gravadas por Bebeto, Vera Negri, HeartBreakers, Fortuna.

Atua na TV Cultura, desde 1986, como ator, manipulador de bonecos e músico em programas premiados, como Catavento, Bambalalão, Cocoricó e Castelo Ratimbum.

Por Groupie Cultural

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Um Homem Sério

É mais um filme estranho dos esquisitos irmãos Coen (Ethan e Joel), que já desafiaram o público a refletir em filmes como Queime Depois de Ler e Onde os Fracos Não Têm Vez. Em Um Homem Sério (2009) a dupla retoma questões importantes como a família, ética e honestidade, trazendo elementos de suas histórias de vida e o momento de crise social que os Estados Unidos estão passando.

Larry Gopnik (Michael Stuhlbarg) é um professor judeu que vê sua vida desmoronar de uma vez só: sua esposa o troca pelo amigo, seus filhos não o respeitam, sua profissião é afetada por uma tentativa de suborno e por aí vai.

Com tanta pressão, Gopnik fica acuado e tenta refletir sobre sua existência até aquele momento de crise (no qual podemos fazer uma analogia com o próprio país onde se passa o enredo, os EUA, que precisa enfrentar sua própria história para entender o porquê da crise que está passando) buscando uma solução que o tranquilize. Apesar de judeu, o professor é um cientista, um matemático, e como tal tenta equalizar da forma mais racional possível seus problemas.

Acontece que a vida não é uma equação; é algo caótico, assimétrico. E toda essa confusão está muito bem roteirizada, causando indagações profundas, para não dizer “um nó na cuca” do telespectador. “Aceite o mistério” diz uma das personagens ao herói (ou anti herói) do filme. O que isso significa? Que a vida não tem respostas prontas? Que o caos é à base da vida, certas vezes? Ou apenas algo do tipo: “tenha fé, meu amigo”?

Apesar de não ser um filme declaradamente autobiográfico, ele contém partes da vida dos criadores. Sendo assim, não se sabe ao certo se eles estão tirando um sarro com seu próprio passado (o que causou uma reflexão, para uma possível crise...) ou se estão enaltecendo sua cultura e tradições de uma forma bem humorada (e negra).

O fato é que entre as metáforas e frases de efeito, Um Homem Sério retrata a crise de valores individuais dos seres em suas sociedades (aqui, no caso, de um judeu – povo estrangeiro – no EUA) e a inevitável reflexão sobre o sentido de tudo.

As obras dos Coen precisam ser vistas mais de uma vez. São densas demais. Tente gente que odeia e gente que ama. E gente que simplesmente faz como o personagem de Um Homem Sério: pensa muito para tirar uma conclusão.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Dzi Croquettes

Tenho percebido que está havendo um movimento de resgate da cultura brasileira.

Semana passada assisti a 2 filmes cujo foco era a arte/ entretenimento nos anos 60/ 70: “Uma Noite em 67”, sobre o Festival de MPB e “Dzi Croquettes”, documentário sobre o grupo (de teatro? Música? Dança?) homônimo.

Apesar da imensa importância do Dzi Croquettes para a formação da cultura de nosso país, devo confessar que não tinha conhecimento sobre tal grupo, o que me faz refletir sobre a quantidade de produção cultural já feita no Brasil e à qual poucos – mas poucos meeesmo – têm acesso.

O Dzi Croquettes foi um grupo que surgiu em 1972. Eram 13 homens performáticos que se apresentavam em teatros, misturando música, teatro e dança. Tudo com uma qualidade impecável, resultado de 8 horas diárias de ensaio.

Muita cor, uma energia deliciosíssima e criação de tendências vistas e discutidas até hoje, o Dzi Croquettes inspirou grandes nomes da atual classe artística, que dão emocionantes depoimentos no documentário: Ney Matogrosso, Claudia Raia, Nelson Motta, Gilberto Gil, Miguel Falabella, Marilia Pêra, Betty Faria, além de artistas internacionais, como Liza Minnelli.

As origens de expressões e gírias são citadas e explicadas, como é o caso da palavra “Tiete” (explicação hilária!).

Muito mais do que entretenimento, “Dzi Croquettes” nos leva a profundas reflexões sobre temas como preconceito, relacionamentos e modelos de convivência.

"Não somos homens, nem mulheres, somos gente" – Dzi Croquettes




Por Thais Polimeni

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Gomorra

É inclassificável o que se sucede no livro Gomorra. É tão desumano, tão cruel que é inimaginável pensar que estamos lendo sobre fatos reais. Escrito pelo jornalista Roberto Saviano, o best seller é um retrato verídico das experiências e observações de Saviano durante o tempo que esteve infiltrado da máfia napolitana, conhecida como Camorra.

Não há momentos de abrandamento em Gomorra. As histórias são relatadas com tanto requinte de detalhes (e isso inclui as cenas de crueldade) que se torna impossível sair ileso à leitura desta obra documental. Dividido em dois blocos, o livro reconstrói a lógica financeira e expansionista, bem como o sistema organizacional dos clãs das regiões napolitanas e casertanas, desde o Secondigliano até Casal di Principe, além de revelar estranhos rituais comerciais, que mesclam lógicas corporativas com o fatalismo fúnebre dos samurais.

Roberto Saviano constrói um trama repleta de figuras emblemáticas (e reais) de forma singular, sendo que toda àquela loucura brutal realizada pela criminalidade e presenciada por ele o torna o personagem principal, um narrador presente e à beira da morte.

Como foi dito, é impossível não sair transformado após a leitura de Gomorra. É tão absurdo o gigantismo da máfia, sua forma de ação — objetiva, fria, calculista — e seu poderio destrutivo, que fica difícil acreditar que ela será um dia controlada.

Por conta de sua obra genial, Saviano está jurado de morte pela máfia italiana e sobre custódia da polícia norte-americana. E, depois do sucesso arrebatador do livro e das ameaças, veio o filme, vencedor do Grand Prix, em Cannes 2008, para dar mais voz aos que lutam contra o crime organizado.

Portanto, Gomorra é mais do que um registro literário e audiovisual de uma desordem social. É antes a contemplação do horror sobre os olhos de um homem que jamais verá a vida como a via, pois talvez nem acredite mais nela.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Para os Apaixonados por Fotografia

O Sesc Consolação, em São Paulo, divulgou uma programação especial para os amantes da fotografia, que ocorrerá entre os meses de agosto e setembro. As atividades do Clic Clube variam entre debates sobre a fotografia e oficinas de processos criativos. Algumas das atividades são gratuitas e as outras custam R$ 12,50, R$ 25,00 e R$ 50,00. Abaixo, o flyer de divulgação com maiores informações:


terça-feira, 13 de julho de 2010

Uma Noite em 67

Os Festivais de Música Popular Brasileira foram de vital importância para a cultura brasileira. Não só pelo valor artístico que tiveram, não apenas pelos grandes nomes que lá surgiram, mas também pelo simbolismo político, pela efervescência social, como também pelo firmamento da televisão como grande meio de entretenimento.

O mais célebre desses festivais foi o de 1967. Transmitido com exclusividade pela rede Record de televisão, que detinha 90% dos programas musicais, a coqueluche da época (como são as novelas hoje), o III Festival de Música Popular Brasileira, realizado no Teatro Paramount, centro de São Paulo, foi um verdadeiro divisor de águas. Jogou ao estrelato nomes como Gilberto Gil e Caetano Veloso; selou o destino de outros como Sérgio Ricardo; isolou alguns como Chico Buarque, enfim, traçou o rumo da produção musical nacional.

E é sobre a grande final deste concurso que o filme documental Uma Noite em 67 fala. Com direção de Renato Terra e Ricardo Calil, o longa é um misto de entrevista e imagens históricas do místico festival. Os principais protagonistas da festa estão presentes na tela, dando entrevistas inéditas: Edu Lobo, vencedor do festival com a canção Ponteio; Gilberto Gil e os Mutantes que apresentaram Domingo no Parque; Caetano Veloso que tocou Alegria, Alegria; Chico Buarque, que explodiu com Roda Viva e Roberto Carlos, que cantou o samba Maria, Carnaval e Cinzas.

As imagens históricas são da grande final, que teve momentos malucos, como o de Sérgio Ricardo arrebentando o violão ou como o de Caetano Veloso, que dobrou a plateia que o vaiava incessantemente. Além disso, há personagens chaves dos bastidores como o produtor Solano Ribeiro e o jornalista Sérgio Cabral, um dos jurados do concurso. Seus depoimentos dão mais cor e vida ao documentário, que é um trabalho magnífico. Uma Noite em 67 é nostálgico para público que teve a oportunidade de acompanhar o Festival de Record e para os envolvidos (preste atenção nos depoimentos de Gil e Chico Buarque) e muito educativo para pessoas mais jovens, que gostam de MPB e só conhecem o lado ficcional dessa marcante noite, que não merece vaia alguma.

O filme tem estreia marcada para o dia 30/07. Informações complementares e outras curiosidades podem ser desvendadas no hotsite: http://www.umanoiteem67.com.br/

Por Leonardo Cássio

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ana Gilli na Estação Catraca Livre

No próximo domingo, 4 de julho, será realizada a Estação Catraca Livre, evento cultural gratuito que acontece no Centro Cultural Rio Verde, Vila Madalena, São Paulo.

Realizada bimestralmente, edição de Julho terá a participação da cantora e atriz Ana Gilli, que apresentará seu show “Como Dizia o Poeta”, ao lado de seus parceiros musicais Leandro Brenner (Direção Musical e Violão) e Fernando Silveira (Percussão)

Com muito carisma, sensibilidade e talento elogiado por grandes nomes da música e do teatro brasileiro, Ana Gilli iniciará seu show às 21h, no Coreto, proporcionando um momento de descontração, boa música e alegria em um divertido final de domingo. E o melhor... Catraca Livre!

E ainda tem mais!

Dia 4 de julho, domingo, das 17h30 às 22h, acontece mais uma edição da Estação Catraca Livre no Centro Cultural Rio Verde. A programação traz o espetáculo Como Dizia o Poeta de Ana Gilli e peça teatral Viniciarte. Além disso, a cantora Kika grava ao vivo show do projeto Miudezas e Afins no estúdio. O projeto reúne composições de Danilo Monteiro na interpretação de Kika.

O artista toco.na.escuta marca presença mais uma vez e faz um desenho ao vivo que será sorteado entre o público presente no final do dia. Confira aqui a arte feita na última Estação.

Thaira, um dos djs brasileiros mais ativos na Europa e América, garante a trilha sonora do domingo. Seu estilo mistura épocas e estilos dentro da música brasileira, latina, africana, soul, jazz, funk 70´s. Já discotecou em Tokyo, Paris, Londres, Tenerife, New York, Zurique, Berlin, Barcelona, Ottawa entre outros.

A gastronomia fica com a Cozinha 77, formada por Giovano Manetti e eventualmente algum convidado. Trata-se de uma cozinha experimental, que visa misturar ingredientes simples em preparações mais elaboradas, quase sempre picantes e inusitadas.

Gabriel Martins, artista gráfico apaixonado por música brasileira, foi o responsável pelo cartaz desta edição da Estação Catraca Livre. Trabalhou para revistas como Offline, Galileu, Vida Simples e a Encontro, revista interna da Unilever, na qual compôs a ilustração de capa e tem trabalhos publicados nas revistas Zupi, Computer Arts, AbcDesign e IdeaFixa. Confira o trabalho do artista: clique aqui

Sobre a Estação Catraca Livre
A Estação Catraca Livre é um evento gratuito que acontece bimestralmente no Centro Cultural Rio Verde, localizado na charmosa Vila Madalena, em São Paulo. Realizada pelo site Catraca Livre, do jornalista Gilberto Dimenstein, a Estação Catraca Livre reúne talentos nacionais que promovem entretenimento e diversão aos visitantes do evento.

Sobre Ana Gilli
Ana Gilli é atriz graduada pela tradicional Escola de Arte Dramática da USP – EAD tem formação em canto popular pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim.

Teve como sua maior influência a música de seu País: bossa nova, samba, choro, baião, e a música caipira de raiz. O contato com o Jazz ocorreu nos Estados Unidos, onde estudou Arte Dramática. Sua viagem não apenas mudou suas referências musicais como também suas referências teatrais. Foi no Teatro Musical que Ana Gilli encontrou sua expressão artística mais completa.

Ao voltar ao Brasil em 2002, mudou-se para São Paulo onde desenvolveu pesquisas e trabalhou com grandes nomes do Teatro Brasileiro, tais como Celso Frateschi, Iacov Hillel, Roberto Lage, Beto Andreeta, Carlos Bauzys, Bete Dorgam, Cristiane Paoli Quito e Mônica Montenegro.

Desde 2006 tem se dedicado à carreira de cantora solo tendo se apresentado em grandes Casas de Show na cidade de São Paulo. Dentre seus shows estão: TRIBUTO a VINÍCIUS de MORAES e BADEN POWELL- em parceria com violonista Leandro Brenner, o percussionista Fernando Silveira e a jornalista/atriz Marina Franco; TRIBUTO a ELIS REGINA e BILLIE HOLIDAY - em parceria com os pianistas Beto Bertrami e Fernando Henna; TRIBUTO ao SAMBA - em parceria com as cantoras Livia Camargo e Luanna Belini, o cavaquinista Marcel Martins, o violonista Emerson Negão e o percussionista Fernando Silveira.

Em 2008, ganhou dois prêmios de Melhor Intérprete em Festivais de Poesia Falada (Festival Internacional de Poesia de Varginha e Festival de Poesia Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

Em 2009 estreou o Musical Infantil “Bichos do Mundo” (Companhia de Bonecos Pia Fraus) onde atuou como atriz e cantora. O resultado deste trabalho deu-se na gravação de um CD e um DVD que será lançado ainda no ano de 2009 em todo o país. Prepara-se para gravar o segundo CD da Orquestra Filarmônica de Viola Caipira de Campinas, dirigida por Ivan Villela, na qual tem o orgulho de cantar "Romaria" ao lado de seu pai Antonio Carlos Gilli - talentoso violeiro.

Neste ano de 2010, tem interpretado as cantoras Marília Batista e Araci de Almeida na peça musical “Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores”, escrita por Plínio Marcos e com direção de Dagoberto Feliz

Informações para Imprensa
Cult Cultura – Thais Polimeni
(11) 7767-1397/ 121*107996
contato@cultcultura.com.br

www.anagilli.com.br
www.myspace.com/anagillicantora
www.facebook.com/anagilli
www.youtube.com/anagillioficial


Serviço
Estação Catraca Livre
Centro Cultural Rio Verde
Das 17h30 às 22h
Rua Belmiro Braga, 119 – Vila Madalena
www.centroculturalrioverde.com.br
Gratuito

18h30: Kika
20h: Viniciarte
21h: Ana Gilli – Como Dizia o Poeta

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Agende-se no cenário musical!

Os próximos dias serão ótimos para os amantes da boa música!

Começando hoje com o lançamento do cd do pianista Beto Bertrami (em que a Cult Cultura estará presente), a semana promete agradar públicos dos mais variados gostos.

Os primeiros dias de julho terão shows incríveis com o Baile do Simonal (participação de Paula Lima e Jorge Ben Jor), Skank e Jota Quest. Esses shows, que acontecerão nos dias 1º, 2 e 3 de julho, fazem parte da Redecard Conexão Brasil, um projeto multimídia e audiovisual que reuniu equipes do Brasil inteiro em uma gincana de produção de vídeos e de curtas-metragens. Os três melhores curtas-metragens serão anunciados e exibidos no Espaço das Américas, antes desses showzaços.


1 de Julho – Baile do Simonal com Participação de Paula Lima e Jorge Ben Jor
O primeiro dia do evento contará com shows de Max Castro e Simoninha em seu “Baile do Simonal” com a participação de Paula Lima, e Jorge Ben Jor. O “Baile do Simonal”, tem o repertório composto por sucessos gravados por Simonal nos anos 60, começo dos 70, tais como "Sá Marina", "País Tropical", entre outros. Desde que foi lançado, o “Baile do Simonal” sempre contou com participações especiais. Neste, a convidada será, nada mais nada menos que, Paula Lima. Já Jorge Ben Jor deve levantar a platéia cantando seus clássicos eternos.

2 de Julho – Skank
Samuel Rosa, Henrique Portugal, Lelo Zaneti e Haroldo Ferretti, componentes do Skank, vão apresentar seu décimo disco, “Estandarte”, o último da banda que trabalha sob uma patrulha auto-imposta: jamais soar presos a fórmulas vencedoras. Sucessos como “Sutilmente” devem emocionar o público.

3 de Julho – Jota Quest
O terceiro e último dia do grande evento será embalado ao som da banda Jota Quest. Na ocasião, os fãs poderão ouvir as músicas de "La Plata", o sexto álbum da banda de Rogério Flausino, Marco Túlio, PJ, Marcio Buzelin e Paulinho Fonseca. “La Plata” apresenta um Jota Quest mais ousado, sem perder a identidade.

Clique aqui e adquira seus ingressos!



Além de tudo isso, no próximo domingo, 4 de julho, terá a Estação Catraca Livre, evento gratuito realizado pelo site Catraca Livre. Esta edição será em homenagem a Vinícius de Moraes, com participação da cantora e atriz Ana Gilli! Aguardem mais infos em breve!

28 de junho
Lançamento do cd de Beto Bertrami
All of Jazz
R. João Cachoeira, 1366 – Itaim.
Fone: 3849 1345
Entrada R$15,00

Informações para a imprensa:
Cult Cultura
Thais Polimeni: 11 7767-1397/ 121*107996
imprensa@cultcultura.com.br

1º de Julho
Baile do Simonal, com Max de Castro, Simoninha, Paula Lima e Jorge Ben Jor
Espaço das Américas
R. Tagipuru, 795 - Barra Funda - São Paulo - SP
Compre ingressos aqui

2 de Julho
Skank
Espaço das Américas
R. Tagipuru, 795 - Barra Funda - São Paulo - SP
Compre ingressos aqui

3 de Julho
Jota Quest
Espaço das Américas
R. Tagipuru, 795 - Barra Funda - São Paulo - SP
Compre ingressos aqui

4 de julho
Estação Catraca Livre, em homenagem a Vinícius de Moraes
17h30: Abertura
19h: Show - Kika
20h: Teatro - Viniciarte
Gratuito, ou melhor, Catraca Livre!
Centro Cultural Rio Verde
Rua Belmiro Braga, 119 - Vila Madalena

Feitiço da Vila... E dos palcos

Nós, do blog Cult Cultura, estamos rodeados de excelentes amigos. É uma honra ter tanta gente do bem ao nosso lado. Excelentes, do bem, inteligentes e, além de tudo, extremamente talentosos.

Semana passada, soubemos que um desses nossos grandes amigos participou da equipe que foi Ouro no Festival de Publicidade de Cannes, na categoria Design Lions. Em homenagem ao nosso primeiro amigo "Ouro em Cannes", o presenteamos com 1 par de convites para a excelente peça "Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores".

Fazendo jus ao seu Ouro como redator, Angelo nos escreveu um texto que, particularmente, nos emocionou (apesar da modéstia de Angelo em achar que o texto "não foi nada de mais"):

"Thá e Leo, obrigado pelo convite.
Em agradecimento, tive a prepotência de escrever um texto com a minha visão sobre a peça. Nada de mais. Mas foi de coração".

Segue o texto abaixo. Já adianto que depois de lido, ninguém vai querer perder a próxima temporada de "Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores":

--------------------------------


Em reconhecimento à coautoria de um trabalho premiado no Festival de Cannes deste ano, fui surpreendido com um outro prêmio que, com todo respeito ao festival, me causou um sentimento de satisfação muito semelhante. Meus grandes amigos Léo Cássio e Thá Polimeni do Cult Cultura me convidaram para assistir ao último dia de encenação da peça "Noel Rosa: O Poeta da Vila e Seus Amores", no Espaço e Teatro do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos.

E como forma de agradecer a importância que deram ao trabalho premiado, que eu sinceramente achei mediano, resolvi comentar sobre a peça, essa sim realmente brilhante.

Para começar, pelo tema: Noel Rosa. Uma das figuras mais importantes não só para o samba mas para a música brasileira, o que por si só já torna a peça interessante. Porém, diferente dos vários curtas, médias e longuíssimas e cansativas metragens sobre a vida dele, o diretor Dagoberto Feliz emprestou ao clássico roteiro de Plínio Marcos a sua característica principal: pensar na peça como um ato coletivo, onde todos fazem o espetáculo.

O resultado foi uma peça familiar encenada em um ambiente de bar, com aquelas mesinhas quadradas e tudo mais, onde os atores, além de servirem cerveja e outras bebidas para a plateia (com um atendimento que não vejo por aí há muito tempo), sentavam e interagiam com o público. Isso tirou as pessoas do lugar-comum de espectadores e as inseriu no meio em que vivia o incomum Noel: a boemia, vivenciado a época e participando da vida breve do artista contada e cantada através das suas mulheres e músicas.

Aliás, as atuações me agradaram bastante (não que eu seja um expert no assunto, muito pelo contrário, mas me baseio pelo que prende a minha atenção e mexe com o meu senso crítico). Achei todas demais. Mas para não falarem que eu estou criticando de menos, aqui vai uma, com o cúmulo da pretensão de ser construtiva: uma das atrizes solta uma frase em referência a um tema atual da internet como end gag de um diálogo. Me pareceu forçado e um pouco fora de contexto em se tratando de um artista que morreu em 1937, apesar de ter sido muito engraçada.

E por falar em referência, nenhuma das atuações mexeu tanto com a minha memória do samba como a da Ana Gilli fazendo a Aracy de Almeida. Atuação esta que merece até um parágrafo em específico.

Parágrafo em específico:
Conheci o trabalho da Ana Gilli na música através do Léo Cássio e da excelente divulgação que ele e a Thá fazem nas redes sociais. Mas descobri, conversando sobre sua atuação na peça, que apesar da voz maravilhosa, sua formação vem mesmo das artes cênicas. Bom, interpretando algumas músicas do Noel, ela já mostrou que o estrelato na música vai ser apenas uma questão de tempo (bom, pelo menos eu já sou fã). Mas como Aracy de Almeida ela realmente me surpreendeu. Incorporou a personagem com personalidade. Desde a fisionomia, o andar desengonçado e os ombros truncados, até o jeito desbocado, com comentários ácidos como nos tempos em que Aracy era jurada no programa do Silvio Santos, sem falar na voz de velha ranzinza mesmo quando mais jovem.

Qualidade indiscutível. E se não foi, pelo menos não venham discutir comigo.

Fora a Ana Gilli, o Cristiano Tomiossi me agradou interpretando Noel Rosa. O queixo para dentro e o jeito fraseado com que cantou as músicas foram show de bola. Sem falar no show de bola à parte que foi o duelo famoso entre ele e Wilson Batista, interpretado por Joaz Campos. A atuação da Lívia Camargo estava mais exuberante que o decote de sua personagem Ceci, por quem Noel se apaixona, apesar de ser casado com Lindaura, interpretada por Cibeli Bissoli, que você vai ter a impressão de conhecê-la de algum lugar. Talvez aquela filha tímida da vizinha da sua tia Gertrudes.

Bom, se eu falar mais vai virar spoiler. Mas resumindo: "Noel Rosa: O Poeta da Vila e Seus Amores" é cultura, referência e boemia numa excelente peça de teatro. Tem que ir. É simples e genial, revelando a importância do apoio à cultura que o Léo e a Thá tanto buscam e trabalham para isso.

Eu soube que a peça volta depois para ser assistida (assistida não, experienciada) no Sesc Ipiranga. E se o Cult Cultura me convidar de novo para ver a peça, a única dúvida vai ser, com o perdão do trocadilho infame, com que roupa eu vou.

Por Angelo Campana, ouro no Festival de Publicidade de Cannes 2010
Sigam-no no Twitter: www.twitter.com/angelojunior

-------------

É uma peça encantadora! E, assim como o Samba da Vila Isabel, tem "um feitiço sem farofa, sem vela e sem vintém, que nos faz bem". MUITO BEM!
(Clique aqui e confira a letra de "Feitiço da Vila", de Noel Rosa).

Valeu, Angelo!!! Obrigada pelo apoio, pela divulgação e, principalmente pela amizade!

Cult Cultura (Thá e Leo)

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Lançamento do cd do pianista Beto Bertrami

Na próxima segunda-feira, 28 de Junho o pianista, professor e produtor Beto Bertrami lança seu novo trabalho intitulado “Maracujá” no bar All Of Jazz em São Paulo. Composto por dez faixas, o álbum independente é uma releitura das músicas do próprio artista.

Beto Bertrami cresceu em um ambiente regado de muita música popular, sendo sua casa frequentada por César Camargo Mariano e Amilton Godoy. Além disso, seu pai, Claudio Bertrami sempre incentivou o contato com os músicos em ensaios e shows. Seu tio, Jose Roberto Bertrami, contribuiu significativamente para a formação de Beto Bertrami enquanto pianista.

Além de Maracujá, Beto já lançou dois álbuns: “Cadê o som que estava aqui” e “Concepção”, todos independentes.

Perfil

Beto Bertrami é brasileiro, pianista, compositor e apaixonado por Música Brasileira.

Desde 1984 atua músico profissional, professor, produtor e arranjador.
Bertrami já tocou com vários nomes da MPB e do Jazz como Leila Pinheiro, Jair Rodrigues, Max de Castro, Wilson Simoninha, Dominguinhos, Toninho Ferraguti, Roberto Sion, Claudya (do musical Evita), Nora Ney, Miltinho, Márcia, Fortuna, Sônia Maia, Jane e Herondy, Edson Montenegro, Lady Zu, Toni Bizzarro, Toni Tornado, Carlinhos Trompete, Oswaldo Sargenteli, Clayber (gaita), Ubaldo Versolato, Nahor Gomes e Vera Figueiredo, Frank Gambele, Mike Shapiro entre outros. Em alguns desses trabalhos teve participação também como produtor e arranjador.

Tem se dedicado nos últimos anos na divulgação de seus dois últimos CDs, Cadê o som que estava aqui? e Concepção, (em comemoração aos seus então 20 anos de carreira e tributo ao seu pai, o baixista Cláudio Bertrami).

Com esses trabalhos, Beto Bertrami se apresentou em vários festivais, espaços culturais e casas noturnas: Sesc Consolação, Teta Jazz Bar, All of Jazz, Teatro Crowne Plaza, entre outros, além de ter suas músicas tocadas em rádios e emissoras de TV.

Ficha técnica de Maracujá
Piano e teclados – Beto Bertrami
Baixo – Sizão Machado, Arismar do Espírito Santo, Airton Fernandes e Beto Voi
Bateria – Edu Ribeiro, Lael Medina e Cláudio Oliveira
Guitarra – Alemão (Olmir Stocker) e Rudy Arnaut
Percussão – João Parahyba e Luiz Black)
Sopros – Ubaldo Versolato, Nahor Gomes, Vítor Alcântara, Walmir Gil
Cello – Fabiana Aiko Mino


Lançamento CD Maracujá – Beto Bertrami
Segunda-feira, 28 de junho, a partir das 22h30
All of Jazz
R. João Cachoeira, 1366 – Itaim.
Fone: 3849 1345
Entrada R$15,00

Saiba mais sobre Beto Bertrami em:
www.betobertrami.com

Informações para a imprensa:
Cult Cultura
Thais Polimeni: 11 7767-1397/ 121*107996
imprensa@cultcultura.com.br

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores - Reestreia

Pessoal, a peça "Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores" voltou em cartaz às sextas e sábados no mesmo local!

Na temporada passada, assistida por em torno de 1.200 pessoas, o sucesso foi tão grande que o público tinha que reservar ingresso, senão não encontrava lugar! Sugiro que agora vocês reservem, também, pra garantir, porque a peça é boa demais!

Ambientada na boemia carioca e homenageando o centenário de Noel Rosa, "Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores" tem música ao vivo, oito atores e uma produção de primeira!!! Antes de começar a peça, podemos comprar fichas de cerveja, refrigerante ou água na bilheteria, que são servidas pelos próprios atores.

O texto é do saudoso dramaturgo Plínio Marcos e a direção é de Dagoberto Feliz, do Galpão do Folias.

Como diz uma amiga minha: "Para aqueles que ainda não foram, uma segunda chance... E para os que já apareceram, um repeteco de cerveja, música e diversão nunca é demais!!!". Assino embaixo!




Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores
De 4 a 26 de Junho
Sextas e Sábados às 21 horas
R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia-entrada)
Cerveja, refrigerante ou água: R$3,00 (fichas adquiridas na bilheteria)
Reservas:(11) 7811-5637 / cristomiossi@gmail.com
Capacidade: 80 lugares.

Pagamento em dinheiro ou cheque. Não aceita cartões.
Acesso para deficientes físicos.
Estacionamento conveniado próximo ao local – R$7,00.

LOCAL
Espaço e Teatro do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos
Rua Dr. Augusto de Miranda, 786.
Telefone/ Reservas: (11)3803-9396 / (11) 7737-9565 / ID: 11*25009
Não há convênio com estacionamento.
Acesso a portadores de deficiência física.
Pto. Ref.: 3ª paralela da Av. Pompéia, atrás do Hospital São Camilo.
Acesse o mapa de localização no site: www.nucleobartolomeu.com.br

Por Thais Polimeni

sábado, 5 de junho de 2010

Elaboração de Projetos Culturais

Ontem 4 de julho, às 17h30, foi realizada, no Itaú Cultural, uma Oficina de Elaboração de Projetos Culturais.

Parte integrante do calendário da Semana Cidades Catraca Livre, em comemoração aos 2 anos do projeto Catraca Livre, de Gilberto Dimenstein, a oficina foi ministrada por Rafael e Diogo, do Instituto Votorantim.

Com exemplos, vídeos, debate e informações técnicas, a oficina apresentou formas e estruturas para a elaboração de projetos culturais com foco na Democratização Cultural, ou seja, projetos que possibilitem o acesso cultural por pessoas de todas as idades e classes sociais.

Alguns dados estatísticos comprovam a necessidade de projetos dessa magnitude, como:

* 91% das cidades brasileiras não têm salas de cinema;
* Apenas 34% dos filmes brasileiros produzidos foram lançados;
* 58% dos paulistanos nunca foram ao teatro;
* 89% dos paulistanos nunca foram a concertos de música erudita.

Transformar ideias em ações concretas é o desejo de todo artista/ produtor cultural. Um projeto cultural bem elaborado aumenta as chances de se conquistar apoiadores, parceiros e patrocinadores.

Em linhas gerais, quem for elaborar um projeto cultural, deverá se atentar aos seguintes pontos:

1) Título
A escolha de um título que sintetize o projeto facilita o entendimento por parte dos possíveis parceiros

2) Descrição
Como é o projeto?

3) Objetivo
O que eu quero com o projeto?
Qual é o objetivo geral?
Quais são os objetivos específicos?

4) Justificativa
Por que apoiar o projeto?
Por que o projeto tem esse formato?

5) Metas
Quais os resultados quantitativos (quantidade de livros, por exemplo) e qualitativos pretendem-se alcançar?

6) Metodologia
Como alcançar essas metas?

7) Equipe
Quem trabalhará no projeto?
*Quanto mais os perfis e habilidades forem complementares, melhor

8) Comunicação
Como fazer com que o projeto fique conhecido?
*Rafael, do Instituto Votorantim, mencionou que hoje em dia, nem sempre as mídias convencionais ( TV, rádio, jornal) são necessárias. Há diversos exemplos bem-sucedidos que utilizam redes sociais para divulgação.
A estratégia de comunicação, segundo Diogo, também do Instituto Votorantim, tem que conversar com o objetivo do projeto.

9) Cronograma

10) Orçamento

11) Mensuração de resultados

No blog Acesso, o Instituto Votorantim disponibiliza um Manual de Apoio à Elaboração de Projetos de Democratização Cultural. Clique aqui e acesse!

Em conjunto com o Catraca Livre e com o Governo de São Paulo, por meio do ProAc, o Instituto Votorantim também lançou na Semana Cidades Catraca Livre, o Guia Catraca Livre, com dicas e descrições de pontos culturais da cidade de São Paulo e entrevistas com personalidades do cenário cultural paulistano. Clique aqui e obtenha mais informações sobre o Guia e seu lançamento, uma iniciativa louvável!

Links interessantes

Dúvidas, podem entrar em contato: contato@cultcultura.com.br

Por Thais Polimeni

terça-feira, 1 de junho de 2010

Aerosmith em São Paulo

Gosto de Aerosmith dos anos 70, no começo de carreira, quando a banda tinha um repertório que mesclava blues e rock'n'roll. Porém, aprendi a gostar de canções mais pops, que marcaram minha fase adolescente, como "Hole in My Soul", "Full Circle" e "Crazy".

Então, fui preparado para assistir, no sábado (29/05), um show morno, primeiro por causa das brigas recentes da banda e segundo justamente pelo repertório que, acreditava eu, iria se concentrar apenas nas canções mais melosas.

Pois bem, "fomos surpreendidos novamente". O grupo liderado por Steven Tyler e Joe Perry mostrou um incrível entrosamento e conseguiu agradar os fãs mais antigos, que gostam das canções do tempo de "Dream On" (essa, aliás, uma das músicas mais aguardadas, certamente) e as tietes loucas que não paravam de berrar o nome do crooner.

Por volta das 9h40 uma imensa bandeira com o logo da banda desceu e tampou o palco. Minutos depois surgiu o performático Tyler soltando a voz que, diga-se de passagem, permanece boa. A primeira parte do show foi basicamente da forma que eu previa. No setlist, canções como "Cryin'", "Pink", "Crazy" e "Jaded". Já a segunda parte foi realmente inesperada: músicas como "Back in the Saddle" e "Kings and Queens" foram executadas com vigor extraordinário.

Não bastasse, os cerca de 35 mil presentes puderam presenciar Perry duelando com seu personagem no Guitar Hero, alguns solos de guitarra empolgantes e um solo de bateria de Joey Kramer, que largou em detemrinado momento as baquetas e mandou ver com as mãos.

Resumo: um show muito bom! A máxima "há males que vêm para o bem" é válida para o Aerosmith. É difícil acreditar, vendo-os no palco, que poucas semanas atrás havia uma confusão entre eles. Bem, isso não interessa. O bom foi poder ter presenciado a performance de um grupo que está na estrada há 4 décadas e que aparenta estar em pleno vigor.

Veja um vídeo de um fã da música "Dream On": http://www.youtube.com/watch?v=RuLzgUuV8No&feature=related

Por Leonardo Cássio

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Cats - Promoção

O musical "Cats", em cartaz desde março de 2010 no Teatro Abril, em São Paulo, acaba de lançar uma promoção para o mês da Copa.

Encenado há quase 30 anos, o musical está sendo apresentado no Brasil com o elenco inteiramente nacional e com músicas em português adaptadas pelo nosso querido Toquinho.

Nada foi mudado na história dos Smelly Cats, segundo o diretor e coreógrafo Richard Stafford: "Tudo é apresentado conforme criação de Gillian Lynne".

Com relação às composições, Toquinho diz que não foi feita apenas uma tradução: "São necessárias métricas perfeitas, a coreografia e as frases devem estar no lugar certo. Deu muito trabalho! Eu ia dormir tarde sempre, enquanto estava fazendo essa adaptação... Por volta das 8h, 9h da manhã (risos)".

Investindo por volta de 2 horas e 30 minutos em cada composição, Toquinho fez questão de inserir o cotidiano do brasileiro nelas, citando Paulo Autran e outros grandes artistas do nosso país.

Realmente, é uma superprodução (orçada em R$7.512.777,15, segundo o site do Ministério da Cultura). A maquiagem, o figurino e o cenário são perfeitos. Os atores interagem com o público de forma muito divertida e, no palco, pode-se perceber a qualidade desses talentos nacionais.

É muito bom ver que se está investindo na cultura. Paula Lima, cantora já conhecida e atriz do espetáculo, ressalta que "O Brasil, hoje, tem condições de montar um espetáculo dessa grandiosidade", por isso tantos musicais estão em cartaz, reafirmando o que Saulo Vasconcelos, cantor e ator de Cats: "São Paulo já é o polo dos musicais".

Além de São Paulo, os produtores pretendem levar a peça para o Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília e Salvador.

No mês da Copa, a cada 3 ingressos adquiridos, o 4º é grátis!

Para ver mais fotos da peça, clique aqui


Cats tem patrocínio master da Bradesco Seguros e Previdência e co-patrocínio Cielo e WHISKAS®


CATS
De Andrew Lloyd Webber. Baseado em The Old Possum’s Book of Practical Cats, de T.S. Eliot.
Letras em português de Toquinho

Com: Paula Lima, Saulo Vasconcelos, Sara Sarres e grande elenco
Realização: TIME FOR FUN
Apresentação: Bradesco Seguros e Previdência
Co-Patrocínio: Cielo e WHISKAS®
Local: Teatro Abril – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista
Site: www.musicalcats.com.br
Gênero: Musical
Telefones para informações: 4003-5588
Venda a grupos: (11) 2846-6232
Temporada: 4 de março a 1 de agosto
Horários: Quintas e Sextas às 21h; Sábados às 17h e 21h; e Domingos às 16h e 20h.
Duração do espetáculo: 2h40min (com 20 minutos de intervalo)
Classificação etária: Livre - Menores de 12 anos acompanhados dos pais ou responsável legal.
Capacidade: 1.530 lugares
Assentos: O teatro conta com 16 assentos para deficientes físicos e 11 para pessoas obesas.
Estacionamento: O teatro não possui estacionamento próprio
Meio de Pagamento Preferencial: American Express MemberShip Cards e Bradesco Cartões
Acesso para deficientes
Ar condicionado

Assessoria de Imprensa
Arteplural Comunicação – 3885-3671
Fernanda Teixeira – 9948-5355 – fernanda@artepluralweb.com.br
Adriana Balsanelli – 9245-4138 – adriana@artepluralweb.com.br
Lígia Azevedo – 9900-1311 – ligia@artepluralweb.com.br

Por Thais Polimeni

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Santo Amaro em rede: mapeamento cultural do bairro e arredores

Uma vasta programação cultural - que acontece dia 14 de maio em cinco regiões da cidade (Interlagos, Embu, Parque Santo Antonio, Santo Amaro e Jabaquara) - marca o lançamento do portal Santo Amaro em Rede. Uma publicação é outro produto fruto da pesquisa que mapeou 326 grupos, produtores, ongs e associações socioculturais da região Sul de São Paulo. São grupos de teatro, saraus de música e poesia, eventos artísticos, ongs e associações. Os agentes culturais passam a contar com mais um estímulo para incrementar o trabalho em rede e atuar com maior visibilidade.

Existe uma cena vibrante em algumas regiões da cidade. Uma efervescente cultura (no mais amplo sentido da palavra) que circula na Periferia. O estudo Santo Amaro em Rede – Culturas de Convivência comprova o fato. Fruto do trabalho do Sesc com a coordenação técnica da pesquisa feita pelo Instituto Pólis (de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais), o projeto vai gerar produtos, como a criação de um site. O portal entra no ar dia 14 de maio e para celebrar o lançamento haverá atividades culturais em cinco pontos diferentes da cidade - Interlagos, Embu, Parque Santo Antonio, Santo Amaro e Jabaquara.

Veja a programação:

14 de maio, sexta-feira

1- Sacolão das Artes
Av. Cândido José Xavier, 577, Parque Santo Antonio.
Representa M’Boi Mirim e Campo Limpo.
Tels. 11.5511-6561 ou 9819-1418
Site: clique aqui

16H15 MC’S BOLA E MACARRÃO
17H10 A BANCA
18H POETAS ESCONDIDOS
18H15 BANDA POESIA SAMBA SOUL
18H45 GRUPO VERSÃO POPULAR
19H15 GRUPO DE DANÇA DE RUA DO SACOLÃO
20H O ERRANTE COM A BRAVA CIA.

2- CEU Caminho do Mar
Av. Eng. Armando Arruda Pereira, 5241
Cidade Ademar, Jabaquara e Município de Diadema
Tel. 5624 8739
Site: clique aqui

16H TEATRO INFANTIL – COCOS E MITOS – CIA. DAS CORES
17H30 CHORO – CONJUNTO RETRATOS DE CIDADE ADEMAR
18H15 CHORO – AMIGOS DO CHORO DE CIDADE ADEMAR
19H ENCONTRO DE CULTURA DE RUA


3- CEDECA Interlagos, Centro de defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente de Interlagos
Rua N. Sra. do Nazaré, 51
Capela do Socorro e Parelheiros
Tel. 5666.9861
Site: clique aqui

A programação será uma interação com o evento, que contemplará música, graffite, teatro entre outras linguagens e uma jam session. Com os grupos Xemalami, Cia Humbalada e Vocabulário Ponto C.

4- Espaço dos Coletores de Cultura, espaço da Paidéia Associação Cultural
Rua Darwin, 153. Santo Amaro. Alto da Boa Vista - Santo Amaro - SP
Tel: 11 5522-1283
Site: clique aqui ; ciapaideia@paideiabrasil.com.br

16H15 APRESENTAÇÃO ARTÍSTICA NA CIA. PAIDÉIA – LITERATURA (ENCONTRO DOS SARAUS)
17H10 ENCONTRO DAS CASAS DE CULTURA DE SANTO AMARO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS PRODUZIDOS POR ELES
18H APRESENTAÇÃO ARTÍSTICA NA CIA. PAIDÉIA – ORQUESTRA SINFÔNICA DE SANTO AMARO
18H50 APRESENTAÇÃO ARTÍSTICA NA CIA. PAIDÉIA – DANÇA
20H40 APRESENTAÇÃO ARTÍSTICA – ENCONTRO DOS SAMBAS (AO VIVO) SAMBA DA VELA, PAGODE DA 27 E SAMBA DO MONTE

5- Espaço Cultural Solano Trindade
Av São Paulo, 100, em Embu.
Representa os municípios limítrofes da região oeste: Embu, Taboão da Serra e Itapecerica da Serra.
Site: clique aqui

16H ÀS 21H ITAPOESIA – INTERCALANDO A PROGRAMAÇÃO – ITAPECERICA DA SERRA
16H15 MAGELA – BUMBA MEU BOI – TABOÃO DA SERRA
17H10 MULUNGU – CACURIAÍ – EMBU
18H ZINHO ANDRADE RESGATANDO AS RAÍZES HIP HOP – EMBU
19H ZAFRICA BRASIL – HIP HOP – TABOÃO DA SERRA
20H PERSEPTOM BANDA VOCAL
21H TEATRO POPULAR SOLANO TRINDADE - COCO E MARACATU

Santo Amaro em Rede – Culturas de Convivência prevê, além do site, um conjunto articulado de ações – como o lançamento de publicação ainda este ano, banco de dados, fórum de cultura e mostra cultural - implementadas durante o período que antecede a inauguração da nova unidade operacional do Sesc Santo Amaro. "A meta é delinear as principais características que compõem a dinâmica cultural do bairro, para subsidiar a elaboração do plano de ação do futuro equipamento, a sede do Sesc Santo Amaro, na Av Amador Bueno, além de tornar disponível informações qualificadas que serão difundidas junto aos vários públicos de interesse", diz Mário Augelli.

A pesquisa irá fornecer um extenso banco de dados que permitirá cruzar informações da realidade local de muitas maneiras. Será possível, por exemplo, além de acessar informações dos grupos mapeados pelas suas atividades principais, filtrar o grupo ou área de atuação com questões de violência, meio ambiente, desemprego, cultura de paz, arte e cultura e diversidade, criando assim dados relevantes para todos aqueles interessados em compreender a diversidade sociocultural da zona sul da cidade

Assessoria de imprensa: Arteplural

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Virada Cultural - Faça sua programação OnLine

A Virada Cultural de São Paulo completa 5 anos e aumenta em 500% seu número de atrações. Com mais de 10o0 apresentações em toda a cidade de São Paulo, fica difícil escolher o que assistir. Ler o guia inteiro na internet acaba cansando e às vezes uma atração incrível pode passar despercebida.

Um amigo meu sugeriu que eu fizesse um roteiro com atrações culturais mais alternativas, com teatro e exposições, já grande parte do público vai a grandes shows musicais. Mas com tantas atrações boas, dá dó de (nossa, que cacofonia! hahaha) indicar algumas atividades e deixar outras de lado.

Navegando pela internet, descobri uma ação ótima da VejaSP. Ela publicou no Facebook um link em que cada internauta pode escolher suas atrações (dispostas de forma clara e bem organizada) e, no final, imprimir seu guia personalizado da Virada Cultural.

Foi uma ideia que certamente vai facilitar a vida de quem sempre fica em dúvida do que assistir na Virada (e muitas vezes acaba não assistindo nada de interessante). Merece a dica aqui no Cult Cultura:

Clique aqui e faça sua programação!

Por Thais Polimeni

sábado, 8 de maio de 2010

Lançamento de cd - Música Instrumental

O charmoso café-teatro da Rua Lisboa, a Casa de Francisca, vai ganhar ainda mais ares de cenário de cinema no dia 14 de maio, sexta-feira. É lá que o músico e compositor Paulo Gusmão lança A Cidade Enfeitiçada, que tem a atmosfera cinematográfica como característica principal, que envolve cada faixa do cd.

Terceiro CD de sua carreira, A Cidade Enfeitiçada (cuja capa é uma ilustração da Cidade Maravilhosa) conta com diferentes formações instrumentais e influências que vão de Chico Buarque Tom Jobim e Astor Piazzolla a Beatles, Ennio Morricone, Villa-Lobos, Debussy, Ravel, e Tchaikovsky.

Paulo Gusmão comanda a noite no violão, acompanhado de Carlinhos Moreira (flauta e saxofones), Reinaldo Salvitti (acordeom), Fábio Tagliaferri (viola sinfônica), Camilo Carrara (bandolim, violão e guitarra), Clara Bastos (contra-baixo), Mariô Rebouças (piano). A direção musical e arranjos do show ficam por conta de Sergio Molina – que também assina os arranjos e orquestrações do CD.

As músicas podem ser ouvidas no site de Paulo Gusmão. Como elas não estão na íntegra, vale a pena conferir o som ao vivo, dia 14, no lançamento do cd!



Show Paulo Gusmão – A cidade enfeitiçada
Dia 14 de maio, sexta, às 22h30, na Casa de Francisca.
Músicos: Paulo Gusmão (violão), Carlinhos Moreira (flauta e saxofones), Reinaldo Salvitti (acordeom), Fábio Tagliaferri (viola sinfônica), Camilo Carrara (bandolim, violão e guitarra), Clara Bastos (contra-baixo), Mariô Rebouças (piano).
Couvert artístico: R$ 26.
Duração: aprox. 60 minutos.

Casa de Francisca
Rua José Maria Lisboa, 190.
Telefone: 11 3052 0547.
Reservas pelo email: reservas@casadefrancisca.art.br.
Horário de funcionamento: terça a sábado das 20h a 1h e domingos das 19h à 0h. www.casadefrancisca.art.br

Assessoria de Imprensa: Arteplural

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Brasil Cultural

Conhece a Segunda-feira mais louca do mundo?!

Acesse o blog Cult Cultura no Portal da Copa e descubra onde fica esse lugar de completa diversão e cultura!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores

Esse é um ano de muitas comemorações: 30 anos sem Vinícius de Moraes, centenário de Carmem Miranda, de Noel Rosa, de Adoniran Barbosa... Muitos temas para a efervescência das atividades culturais.

Em São Paulo, estreou nesse final de semana o espetáculo “Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores”.

É uma peça escrita pelo aclamado dramaturgo Plínio Marcos, que conta a vida de Noel Rosa em ordem não-cronológica. Em cena, 8 atores interpretam personagens marcantes da curta vida de Noel (como Araci de Almeida, Wilson Batista, Ceci, etc), acompanhados por 3 músicos que executam as composições ao vivo.

O público fica acomodado em mesas, como se estivesse em um bar, o que cria o clima boêmio propício para o tema. Na bilheteria, podem-se adquirir fichas de cerveja, refrigerante e água por R$3,00, que são servidos pelos próprios atores durante o espetáculo.

A direção de Dagoberto Feliz (Galpão do Folias) e a interpretação são excepcionais. Os atores interagem com o público sem deixá-lo constrangido, fazendo com que entrem no universo aconchegante e divertido de Noel Rosa.

É uma peça de imenso profissionalismo, que nos faz descobrir bastante sobre a vida dos grandes talentos musicais da saudosa Era do Rádio.

Vale a pena destacar que “Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores” está em temporada popular: R$5,00 o ingresso! Sim, cinco reais! Aproveitem!


www.noelopoetadavila.blogspot.com

Noel, o Poeta da Vila e seus Amores
De 9 de Abril à 9 de Maio*
Sextas e Sábados às 21 horas
Domingos às 19 horas**
Valor promocional de R$5,00 (durante toda temporada).

* Exceto domingo, dia 25/04 (não haverá apresentação).
** Duas sessões extras nos domingos, dias 2 e 9 de maio, às 16 horas.

LOCAL
Espaço e Teatro do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos
Rua Dr. Augusto de Miranda, 786.
Telefone: (11)3803-9396 / (11) 7737-9565 / ID: 11*25009
Não há convênio com estacionamento.
Acesso a portadores de deficiência física.
Pto. Ref.: 3ª paralela da Av. Pompéia, atrás do Hospital São Camilo.
Acesse o mapa de localização no site: www.nucleobartolomeu.com.br

FICHA TÉCNICA
Direção:
DAGOBERTO FELIZ

Assistência de Direção:
JOSÉ EDUARDO RENNÓ

Dramaturgia / Seleção de Repertório:
JOSÉ EDUARDO RENNÓ e CRISTIANO TOMIOSSI

Elenco:
CRISTIANO TOMIOSSI - Noel Rosa
ANA GILLI - Araci de Almeida / Marília Batista
CIBELI BISSOLI - Lindaura
GISELA MILLÁS - D. Marta
KATIA NAIANE - Julinha
LÍVIA CAMARGO - Ceci
JOAZ CAMPOS - Wilson Batista / Papagaio
JOSÉ EDUARDO RENNÓ - Casé / Dr. Edgar
ALEXANDRE MOURA - Violão 7 cordas / Cavaquinho
ALEXANDRE RIBEIRO - Clarinete
KLAYBER VARELA - Clarinete
MIRÓ PARMA - Percussão

Cenário:
FLÁVIO TOLEZANI

Figurino:
DANIEL INFANTINI

Iluminação:
ANDRÉ CANTO

Visagismo e Adereços:
WANDER PANHOÇA

Fotografia:
BARBARA CAMPOS

Ilustrações:
JOSÉ EDUARDO RENNÓ

Assessoria de Imprensa:
ÉRIKA DIGON – Tudo em Pauta

Programação Visual:
SATO – Casadalapa

Direção de Palco:
RONALDO DIAS

Montagem Técnica:
RONALDO DIAS e ROGÉRIO SANTOS

Produção Executiva:
TUCCI FATTORE

Produção Geral e Administração:
CRISTIANO TOMIOSSI e LIVIA CAMARGO

Idealização:
CRISTIANO TOMIOSSI

Por Thais Polimeni

segunda-feira, 12 de abril de 2010

O tempo, a natureza

Tenho viajado bastante nesse mês de abril. Aproveitei que uma amiga tirou férias e me chamou pra desbravar o Brasil com o Passaporte Azul (aquele que a gente paga 899 reais e pode ir pra onde quiser - nas cidades que a Azul atua, pagando apenas a taxa de embarque), e comecei a fazer uma pesquisa sobre os pontos culturais das cidades-sede da Copa do Mundo.

Já fui pra Fortaleza e Porto Alegre. Hoje, embarco pra Salvador e semana que vem (se eu conseguir tomar a vacina contra febre amarela), estarei em Manaus.

O que me chamou muito a atenção foi que fora de São Paulo, eu tive a impressão de que o tempo passa MUITO devagar. Comentei isso com uma amiga e ela disse que é porque aqui em Sampa, a gente tem muita coisa pra fazer. Mas não é bem assim. Em Fortaleza e em Porto Alegre, eu e minha amiga fizemos muita coisa, visitamos muitos lugares e quando a gente olhava no relógio, tinha passado 2 horas. Em São Paulo, mesmo sem fazer nada, o tempo passa voando.

Curiosamente, nesse final de semana, eu estava visitando o site de uma exposição fotográfica que vai começar no sábado que vem, e vi uma frase que me fez lembrar dessa minha indagação sobre o tempo:

“Quando a vida é vivida em excesso de informação, alimentação e preocupações, de efeitos intelectuais, racionais e sensoriais, todo o nosso recurso humano é desgastado rapidamente... Quando “alargamos os passos“ estamos reduzindo nossa distância de vida”. (Wu Jyh Cherng)

É uma frase pequena, mas cheia de interpretações e verdades. Pesquisei mais sobre a exposição e descobri que as fotos foram feitas a partir de uma pesquisa do artista, Rico, sobre "O Livro do Caminho e da Virtude", de Lao Tsé. Além das fotos, também foi feito um documentário que será exibido no dia da abertura da exposição, 17 de abril.

O intuito das obras é propor ao público propor uma visão mais atenta aos mecanismos de equilíbrio da Natureza.

Achei uma proposta bem de acordo com o momento que estamos vivendo. Refletir sobre o nosso tempo é sempre um desafio para qualquer pessoa, para qualquer profissional.

Confiram:



QUINTAO, por Ricardo Venerito (Rico)
Abertura: 17 de abril, 16h
Exibição do documentário: 17 de abril, 17h

De 17 de abril a 1 de maio de 2010
Terça a sábado, das 12h às 20h

Espaço Matilha Cultural
Rua Rego Freitas, 542 - São Paulo - SP

Mais informações: http://www.quintaorico.com.br/

Por Thais Polimeni

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Cult Cultura Brasileira


Vamos falar sobre a cultura em algumas cidades/ estados do Brasil. Primeira parada: Ceará. Clique no link abaixo e confira!

terça-feira, 6 de abril de 2010

Fora do Eixo

De hoje até o domingo, dia 11/04, acontece na cidade de São Paulo o festival independente Fora do Eixo. Como o nome indica, o festival terá bandas que não são das capitais Rio-São Paulo, como Macaco Bong, Porcas Borboleta e Mini Box Lunar.

A preocupação do evento é clara: mostrar que além das capitais Rio-São Paulo, há outros focos artísticos espalhados pelo país. O curioso é que, apesar do evento buscar atrações "fora do eixo", o evento em si ocorre "dentro do eixo", justamente porque ainda se concentram nas duas metrópoles os maiores investimentos em cultura.

Os shows serão realizados em casas noturnas paulistanas, notoriamente conhecidas pelos seus "perfis" alternativos e cults. Acompanhe a programação:

Hoje - 6/4 - Minibox Lunar e Jards Macalé no Itaú Cultural, às 20h (gratuito);
Amanhã - 7/4 - Macaco Bong e Caldo de Piaba no Studio SP, às 23h (R$ 15 a R$ 20);
Quinta - 8/4 - Burro Morto e Cabruêra no Tapas Club, às 23h (R$ 10 a R$ 15);
Sexta - 9/4 - Nevilton na Livraria da Esquina A, às 23h (R$ 10);
Sábado - 10/4 - Facas Voadoras e Canastra no CB, às 19h, e Calistoga na Livraria da Esquina B, às 23h (R$ 10);
Domingo - 11/4 - Porcas Borboletas no Centro Cultural Rio Verde, às 14h, e Festa de Encerramento no Neu Club, às 21h (R$ 10).

Para maiores informações, consultar o site de cada casa ou espaço de shows.

Confira um clipe do Macaco Bong, uma das atrações do Fora do Eixo:




Por Leonardo Cássio

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Chico Xavier - O Filme

Chico Xavier é um das figuras brasileiras mais fascinantes. Médium, com mais de 400 livros psicografados, Xavier encantou uma legião de seguidores com seus dotes paranormais e sua preocupação em ajudar os mais carentes, pregando a paz, a solidariedade e a evolução do espírito.

Independente do credo religioso de cada um, do fato de acreditar ou não nos "poderes" do médium, é impossível negar a importância, mesmo que floclórica, da figura humana de Chico Xavier.

Para coroar e ilustrar um pouco mais sobre a vida e obra do mineiro, que nasceu na pacata cidade de Pedro Leopoldo em 1910, falecendo em 2002 no mesmo estado de Minas Gerais, na cidade de Uberaba (aos 92 anos), estreiará amanhã, dia 02/04, em mais de 370 salas, "Chico Xavier - O Filme".

O longa retrata a trajetória vivida pelo espírita, dividindo a trama em três blocos principais: de 1918 a 1922 Matheus Costa interpreta o médium; de 1931 a 1959 é a vez de Ângelo Antônio e, por fim, Nelson Xavier assume a fase entre os anos de 1969 e 1975.

Além dos atores citados, há outros grandes nomes globais envolvidos: Tony Ramos, Christiane Torloni, Giulia Gam, Letícia Sabatela, Cássia Kiss e muitos outros.

Para obter todas as informações divulgadas sobre o filme, acesse:

www.chicoxavierofilme.com.br/site/

Assista o trailer do filme:

segunda-feira, 29 de março de 2010

Salve Nosso Jorge!

Neste sábado, dia 27/03, Seu Jorge soltou seu vozeirão no Credicard Hall, em São Paulo. Com um público que quase lotou a casa de show, o músico pode mostrar o porquê de ter se tornado um dos grandes nomes dessa nova leva de cantores brasileiros.

Sucessos não faltaram. Dos trabalhos antigos aos novos, Seu Jorge apresentou quase duas horas de um show dançante, porém com alguns momentos mais intimistas, como na canção “Seu Olhar”.

A banda — excepcional, diga-se de passagem — contagiou a plateia junto ao crooner. Canções como “Carolina”, “Burguesinha”, “Chatterton” (em versão Reggae) e “Mina do Condomínio”, entre outras, botaram o público pra dançar de uma forma contagiante.

Destaque mesmo foi para a canção “Zé do Caroço”, que contou até com um improviso de “Nego Drama”, dos Racionais MCS, e um discurso bem receptivo, incentivando a quem tem oportunidade de estudar e trabalhar o fazer, com o máximo de afinco.

Além dos Racionais, Carlinhos Brown e Milton Nascimento tiveram músicas interpretadas pelo cantor. Até sua filha teve vez: subiu no palco para dizer que o “lixo deve ser jogado no lixo”. Bonitinha.

Foi divertido estar no Credicard Hall vendo um cantor de primeira, com músicos de primeira, fazendo o que gosta de uma forma transparentemente alegre. É isso que falta no mundo: alegria. Salve Jorge!

Veja um clipe de Zé do Caroço:



Por Leonardo Cássio

quarta-feira, 24 de março de 2010

Dias de Campo Belo na Mostra Experimentos

Hoje começa a Mostra Experimentos, do TUSP, uma sequência de apresentações GRATUITAS de peças teatrais e exercícios cênicos de grupos da ECA-USP, ELT, Unicamp e Fascs.

Neste sábado, domingo e segunda-feira, será apresentado o espetáculo "Dias de Campo Belo", já comentado aqui no Cult Cultura (veja as fotos aqui). Com dramaturgia e direção de William Costa Lima, o experimento propõe uma investigação das relações e do universo masculino. O projeto conta com a supervisão artística de Luís Fernando Marques (Lubi), do Grupo XIX de Teatro.

Dias de Campo Belo conta a história de personagens masculinos que tiveram sua infância no interior (na cidade de Campo Belo) e, entre memórias e sonhos, por alguns instantes tentam modificar o curso de sua existência e colocar em relevo tudo o que passou despercebido.

A peça será apresentada apenas nos dias 27, 28 e 29, mas a Mostra Experimentos se estende até o dia 4 de maio. Confiram:


Mostra Experimentos
Quando: 24/3 a 4/5.
De quarta à segunda. Sempre às 20h.
Onde: TUSP (Teatro da Universidade de São Paulo)
Rua Maria Antonia, 294, Consolação
Tel: (011) 3255-7182
Quanto: Entrada franca (retirar ingresso com 1h de antecedência).
Estacionamento conveniado R$6,00
130 lugares

Primeira semana
24/3 – CEPECA (CAC/ECA/USP)
25 e 26/3 – Por quanto tempo se pode contemplar outra pessoa (CAC/ECA/USP)
27, 28 e 29/3 – Dias de Campo Belo (ELT)
Segunda semana
31/3 – CEPECA (CAC/ECA/USP)
1 e 2/4 – Curral (ELT)
3, 4 e 5/ 4 – Sobre esta cidade (CAC/ECA/USP)
Terceira semana
7/4 – O estado rinoceronte (FASCS)
8/4 – O que não disseram (FASCS)
9/4 – Trânsito Livre (UNICAMP)
10, 11 e 12/4 – Madrid 36 (CAC/ECA/USP)
Quarta semana
14/4 – Terras de Vanglória (CAC/ECA/USP)
15 e 16/4 – anima (CAC/ECA/USP)
17, 18 e 19/4 – De solados (ELT)
Quinta semana
21/4 – Apenas o fim do mundo (CAC/ECA/USP)
22 e 23/4 – Manual para produzir mancúspias (CAC/ECA/USP)
24, 25 e 26/4 – Sou teu ou meu? (UNICAMP)
Sexta semana
28 e 29/4 – Um olhar de medusa (CAC/ECA/USP)
30/4 – Projeto Save the Queen (CAC/ECA/USP)
1, 2 e 3/5 – Mantenha fora do alcance de crianças (CAC/ECA/USP)
4/5 – Encerramento da MOSTRA EXPERIMENTOS – Espetáculo convidado: Doido (com Elias Andreato)

Dias de Campo Belo
Quando: Dias 27, 28, 29 de sábado à segunda-feira às 20h
Classificação indicativa: 12 anos
Duração: 60 min

Dramaturgia e Direção: William Costa Lima
Atores criadores: Vitor Belíssimo e William Costa Lima
Supervisão artística: Luis Fernando Marques
Assistente de direção: Bruno Lourenço
Diretora de produção: Thais Polimeni
Cenário, iluminação e figurinos: William Costa Lima
Iluminadores: Bruno Lourenço e Mayra Guanaes
Confecção dos figurinos: Irene Aparecida Lima
Créditos das fotos: Diego Pisante / Clix (favor creditar todas as fotos)
Realização: Cult Cultura e Pequeno Teatro de Torneado

Thais Polimeni

terça-feira, 23 de março de 2010

Abertas as Inscrições para o Prêmio Vivaleitura

Os Ministérios da Cultura (MinC) e da Educação (MEC), a Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI) e a Fundação Santillana - instituição voltada ao fomento da educação e à difusão da cultura em países da América Latina; Portugal e Espanha – lançaram no dia 22 de março a quinta edição do Prêmio Vivaleitura.

A premiação - no valor de R$ 30 mil para os vencedores de cada categoria - irá contemplar ações que estimulem e reconheçam experiências relacionadas à leitura. As inscrições poderão ser realizadas até 2 de julho e os trabalhos podem ser inscritos nas categorias: Bibliotecas (públicas, privadas ou comunitárias), Escolas (públicas ou privadas) e Sociedade Civil (empresas, ONGs, pessoas físicas, universidades e instituições sociais).

Os finalistas serão anunciados em outubro e a expectativa é que a premiação ocorra em novembro. Em quatro edições, 8,5 mil projetos de todas as regiões do país foram inscritos. Deste total, 60 foram selecionados e 12 premiados.

O regulamento está disponível no site: http://www.premiovivaleitura.org.br/.

Maiores Informações: 0800 7700987.

Por Lívia Ferreira.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Lançamento do Livro Drogas e Cultura: novas perspectivas


Nesta terça-feira, dia 23/03, às 15h00, o Ministério da Cultura fará o lançamento do livro "Drogas e Cultura: novas perspectivas", no Centro Cultural São Paulo - Sala Adoniran Barbosa.

Após o lançamento oficial do livro, haverá um debate sobre o polêmico tema, com o Ministro da Cultura, Juca Ferreira, e pelo não menos polêmico ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, além de uma apresentação dos músicos do Reino do Sol.

O Centro Cultural São Paulo fica na Rua Vergueiro, 1000 - (próximo à estação Vergueiro do Metrô) - em São Paulo. Não há informações sobre quantidade de lugares para o evento.

Por Leonardo Cássio.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Curso: Gestão de Projetos Cênicos

A SP Escola de Teatro está com as inscrições abertas para o curso GRATUITO de Gestão de Projetos Cênicos. O curso tem 3 módulos, com 64 horas cada um e, ao final do 3º módulo, o aluno terá direito ao DRT de Produtor.

O curso é coordenado pela Ana Paula Galvão, pós-graduada em Gestão de Projetos Culturais e Organização de Eventos pela ECA-USP e que tem uma grande experiência na área da cultura, tendo desenvolvido atividades de coordenação e comunicação em espaços cênicos.

Gestão de Projetos Cênicos
Acontecerá às segundas-feiras, das 19h às 22h

O curso pretende apresentar e investigar de maneira teórica e prática as diversas ferramentas de gestão disponíveis às artes cênicas e o potencial destes recursos em promover uma maior organização do setor. Também é objetivo deste módulo apresentar criticamente o uso deste ferramental a favor da criatividade e sustentabilidade de projetos cênicos. Seu público-alvo são profissionais atuantes na área de produção de projetos cênicos (espaços, grupos e/ou artistas).

Incrições
De 15 a 21 de março

Divulgação de Selecionados
1ª Chamada – dia 1 de abril

Matrículas
1ª Chamada – dia 5 e 6 de abril

Início das aulas
dia 12 de abril

Término das aulas (1º módulo)
dia 26 de julho

Para mais informações, clique aqui
Para se inscrever, clique aqui

Por Thais Polimeni

sábado, 13 de março de 2010

A Loba de Ray-Ban

"O Lobo de Ray-Ban" é o original, escrito há mais de 20 anos por Renato Borghi que, a pedido de Dina Sfat, adaptou o texto para o feminino, que teria essa grande atriz no papel principal. Quando a adaptação ficou pronta, Dina Sfat estava doente e não pôde encenar. Pouco tempo depois, Borghi apresentou o texto original a Raul Cortez e, então, decidiram realizar "O Lobo de Ray-Ban" ao lado de Christiane Torloni e Leonardo Franco, dirigidos por José Possi Neto.

22 anos depois da estreia do texto original, a equipe entra em cena com "A Loba de Ray-Ban", protagonizada por Christiane Torloni, que volta a dividir os palcos com Leonardo Franco e Renato Dobal, também dirigidos por José Possi Neto.

Com tanto tempo de convívio, sintonia é o que não falta neste grupo. Maria Maya, que com Ana Lopes Dias completa o elenco, demonstra uma conexão muito forte com o texto e com seus colegas de palco. A energia dessa turma é surpreendente. Emociona. Toca. Provoca.

Sim, a peça é polêmica. Em algumas cenas, tem-se a oportunidade de ouvir comentários como "Miiisericórdia!" da mulher sentada ao seu lado. Ou então risos constrangidos em meio ao moderno público do século 21.

A história da peça acontece no ambiente teatral. Nos palcos, na coxia, na casa da dona da Cia.... Relacionamento é o tema central e não há não-me-toques na dramaturgia, tampouco na encenação. É teatro. É vida. É verdade.

"Sempre soube que o que mais me atraiu no teatro, na arte, foi a possibilidade de conviver com essa gente especial, intrigante, misteriosa e provocante. Escolhi VIVER entre artistas", comenta o diretor José Possi Neto, com quem eu, humildemente, divido a mesma opinião.

"O que é a vida? (...) Pois toda vida é um sonho. E os sonhos, sonhos são. (...) Se a vida é um sonho, sonhemos, pois!" - fala da personagem Julia Ferraz, interpretada por Christiane Torloni.

"A Loba de Ray-Ban" fica em cartaz somente até o dia 28 de março no Teatro do Shopping Frei Caneca. Depois, parte para viagem pelo Brasil. Próximo destino: Rio de Janeiro. Cariocas, fica a dica!

Leia a entrevista de Christiane Torloni, sobre a peça, concedida à revista Época em 2009: clique aqui

A Loba de Ray-Ban
Teatro Shopping Frei Caneca (600 lugares)
Rua Frei Caneca, 569 - 6º Andar.
Sexta, 21h30, Sábado 21h e Domingo 19h
R$ 50,00
Duração: 90 minutos.
Recomendação: 14 anos
Temporada: até 28 de março de 2010

Informações: (11) 3472-2226 -2229 - 2230
Vendas por telefone: (11) 4003.1212
Vendas pela internet:www.ingressorapido.com.br
Grupos: (11) 3472-2227 – De segunda a sexta das 10:00 às 19:00

Bilheteria do teatro:
Terça e quarta, das 13h às 19h. Quinta a domingo, das 13h até o início do espetáculo.
Aceita todos os cartões de crédito e débito. Não aceita cheque nem cartão Hipercard.
Estacionamento do Shopping – R$ 5 por duas horas.

FICHA TÉCNICA:

Texto: RENATO BORGHI
Direção: JOSÉ POSSI NETO

Elenco: CHRISTIANE TORLONI, LEONARDO FRANCO E MARIA MAYA

Cenário: JEAN-PIERRE TORTIL
Figurino e Visagismo: FABIO NAMATAME
Iluminação: JOSÉ POSSI NETO
Trilha Sonora: TUNICA e ALINE MEYER
Preparação Corporal: SUZANA MAFRA
Programação Visual e Curadoria: DENISE MATTAR
Fotos: LUIZ TRIPOLLI
Direção de produção: JOSÉ LUIZ COUTINHO e ELZA COSTA
Produção Executiva: EDINHO RODRIGUES
Realização: CHRISTIANE TORLONI e LEONARDO FRANCO

Patrocínio: Mercedes-Benz (cota "Apresenta"), Nestlè Gold, Halliburton, Paris 6

Por Thais Polimeni